Entenda o conceito e principais dispositivos de proteção elétrica industrial

Tempo de leitura 3 minutos

Dentro de qualquer projeto de grande porte e que tenha elevado nível de exigência, segurança é fundamental. Justamente por isso, que dispositivos de proteção elétrica industrial são tão necessários em diferentes situações. E este é o assunto de hoje, aqui no blog do Mundo Linha Viva! Vamos conhecer quais são os principais dispositivos de proteção elétrica industrial as características de cada um. Confira na sequência e não perca a oportunidade de enviar seu comentário com dúvidas no final do texto.

Conheça os principais dispositivos de proteção elétrica industrial

Já ouviu falar ou leu algo sobre a ABNT NBR 5410? Esta é a norma regulamentadora, válida em todo o território nacional, que trata dos padrões mínimos de segurança em instalações elétricas de até 1000 v em tensão alternada (baixa tensão) e 1500 v em tensão contínua.

Agora que sabe disso, vamos aos principais dispositivos de proteção elétrica industrial. São três os mais comuns e os mais importantes que todo projeto deve ter: disjuntor termomagnético, conhecido pela sigla DTM; diferencial residual – DR; dispositivo de proteção de surto ou sobretensões – DPS.

DTM – Disjuntor Termomagnético

É o dispositivo de proteção elétrica mais comum e facilmente encontrado em lojas especializadas que trabalham com materiais elétricos. O disjuntor termomagnético (DTM) é classificado como um aparelho de proteção e manobra, que garante segurança contra sobrecarga e sobrecorrente. Esta solução se autodesarma quando detecta calor acima do normal, um indicador de corrente excedente. É comercializado com tipologias e números de polos variados, podendo ser monopolar, bifásico e até mesmo trifásico. O DTM também possui modelos específicos quanto à corrente de curto-circuito, por exemplo, disjuntor de curva B, C e D.

DR – Diferencial Residual

O diferencial residual (DR) é um dispositivo de proteção elétrica industrial que tem como principal objetivo garantir proteção contra choques elétricos. Sua utilização é necessária porque o disjuntor termomagnético (DTM) não tem a capacidade de identificar correntes elétricas mínimas, na ordem de centésimos de ampères. Caso ocorra contato deste nível de corrente com alguma pessoa, o dano pode ser grave ao percorrer o corpo humano.

O uso do diferencial residual é obrigatório, conforme padrões estabelecidos pela ABNT NBR 5410, em circuitos localizados em áreas sujeitas a contato com água, como banheiros, áreas de serviço, cozinhas e garagens. Também é um dispositivo indispensável em circuitos que alimentam tomadas que se encontram em áreas externas. Tomadas de áreas internas devem contar com o diferencial residual quando apresentem a possibilidade de alimentação de equipamentos no exterior.

Funcionamento: o DR desliga automaticamente quando há contato direto com um condutor carregado eletricamente, ou também quando há contato direto em superfícies que, normalmente, não conduzem energia e que podem eventualmente apresentar falhas de isolamento. O diferencial residual pode ser instalado individualmente por equipamento (instalação por ponto) ou em circuito por grupos (módulos).

DPS – Dispositivo de Proteção de Surtos / Sobretensões

Com utilização obrigatória, o DPS é o dispositivo de proteção de surto ou sobretensões que protege a rede elétrica contra sobretensões. Estas, por sua vez, podem ocorrer a partir de fenômenos atmosféricos, por exemplo, durante tempestades. Por esta razão, o DPS é um dispositivo muito indicado para instalação em áreas sujeitas a trovoadas. O dispositivo de proteção de surtos pode ser instalado no quadro geral de distribuição e também entre equipamentos e tomadas. A obrigatoriedade do DPS é determinada pela ABNT NBR 5410.

IMPORTANTE: ao pesquisar sobre os principais dispositivos de proteção elétrica industrial, verifique se os mesmos atendem aos requisitos segurança que são exigidos. Para tal, uma boa dica é confirmar se cada item (DTM, DR ou DPS) foi submetido a testes de qualidade.